Ao correr as ruas da velha cidade

 

Ao correr as ruas da velha cidade,
Onde nasci, deu os primeiros passos, cresci;
Os meus tempos de infância revivi,
Absorvido numa profunda saudade.

Recordei momentos de felicidade,
Felicidade que com o tempo perdi;
Mas o tempo que passou não esqueci,
Nem jamais esquecerei essa idade.

Mais tarde, surgiram grandes contradições,
Contrariando mil e uma ilusões,
Que em criança tinha alimentado.

Porque então, tudo era um mar de rosas,
Mas as rosas tornaram-se espinhosas,
E de espinhos é composto meu fado.

Autor: Augusto Gil (1873-1929)

Editado por: nicoladavid

 

Comments