"Pecadora"

 
 

Tinha no olhar cetíneo, aveludado,
A chama cruel que arrasta os corações,
Os seios rijos eram dois brasões
Onde fulgia o simb’lo do Pecado.

Bela, divina, o porte emoldurado
No mármore sublime dos contornos,
Os seios brancos, palpitantes, mornos,
Dançavam-lhe no colo perfumado.

No entanto, esta mulher de grã beleza,
Moldada pela mão da Natureza,
Tornou-se a pecadora vil. Do fado,

Do destino fatal, presa, morria
Uma noute entre as vascas da agonia
Tendo no corpo o verme do pecado!

 

Autor: Augusto dos Anjos
Editado por: nicoladavid

AVISO
Este vídeo contém uma faixa de áudio que não foi autorizada por WMG. O áudio foi desativado. Mais informações sobre direitos autorais
 

 

Comments