Duas estrofes

 
 

                                                    (À memória de João de Deus)

                                                    Ah! ciechi! il tanto affaticar chegiova?  

                                                      Tutti torniano alla gran madre antica

                                                           E il nostro nome appena si ritrova.

                                                                                             “Petrarca”

 

A queda do teu lírico arrabil

De um sentimento português ignoto

Lembra Lisboa, bela como um brinco,

Que um dia no ano trágico de mil
E setecentos e cinqüenta e cinco,

Foi abalada por um terremoto!

A água quieta do Tejo te abençoa.

Tu representas toda essa Lisboa

De glórias quase sobrenaturais,

Apenas com uma diferença triste,

Com a diferença que Lisboa existe

E tu, amigo, não existes mais!


Autor: Augusto dos Anjos (1884 – 1914)

Editado por: nicoladavid

 
Comments