Primeira Noite

Ela estava muito despida

E grandes árvores indiscretas

Para as janelas jogaram suas folhas

Maldosamente, por perto, perto.

 

Sentada na minha cadeira grande,

Meia-nua, ela apertou as mãos.

No chão estremeceu à vontade

Seus pés tão bons, tão finos.

 

Eu olhei, de cor de cera,

Um pequeno raio zumbido

Borboleta em seu sorriso

E em seu peito, voe ou rosa.

 

Eu beijei seus tornozelos finos.

Ela teve uma risada suave e brutal

Quem vagou em trinos claros,

Uma risada bonita de cristal.

 

Pequenos pés debaixo da camisa

Salvo: "Você terminaria?"

- A primeira audácia permitida,

O riso fingiu punir!

 

Escolas orgulhosas debaixo do meu lábio,

Beijei seus olhos gentilmente:

- Ela jogou a cabeça com frio

Voltar: "Oh, ainda é melhor!"

 

Senhor, tenho duas palavras para lhe dizer ... "

- Eu joguei o resto para ele

Em um beijo, o que a fez rir

Com uma boa risada que queria ...

 

- Ela estava muito despida

E grandes árvores indiscretas

Para as janelas jogaram suas folhas

Maldosamente, por perto, perto.

Autor: Arthur Rimbaud (1854-1891)
Editado por: nicoladavid


Comments