A Vaidade Da Tua Imagem

 

Só podes ter esperanças de ser fiel se sacrificares a vaidade da tua imagem.
É dizeres: «Eu penso como eles, sem distinção.»
Ver-te-ás desprezado. Mas sendo, como és, parte desse corpo, queres lá saber do desprezo! Em vez de te importares com ele, agirás sobre esse corpo. E carregá-lo-ás com a tua própria inclinação. E irás buscar a tua honra à honra deles. Porque não há outra coisa a esperar.
Se tens motivos para teres vergonha, não te exponhas. Não fales. Rumina a tua vergonha. Essa indigestão que te forçará a restabeleceres-te na tua casa é excelente.
Porque depende de ti.
Mas aquele acolá tem os membros doentes. Que faz ele? Manda cortar os quatro membros. É doido. Podes procurar a morte para que ao menos em ti respeitem os teus. Mas não podes renegá-los, porque então é a ti que te renegas.

Autor: Antoine de Saint-Exupéry (1900-1984)
Editado por: nicoladavid

Comments