A Redenção

 

A divina emoção que tu me deste,

Já m´a deu uma árvore ao poente...

Não é só teu encanto que te veste:

A seiva e o sangue rezam irmãmente.

 

Às vezes nuvens, mares, areais,

Dão-me mais sonho do que os olhos teus...

É como se eles fossem meus iguais,

Tendo nós todos fé no mesmo Deus...

 

Não será isto o instinto, a profecia,

De que desfeitos e transfigurados

Viveremos num só, numa harmonia?...

 

Sim, deve se: amor, sonho, emoção,

São esforços febris d´encarcerados

Para quem a Unidade é a redenção.


Autor: António Patrício (1878-1930)

Editado por: nicoladavid

Comments