Aparição nas Águas

 

Vênus, a ideal pagã, que a velha Grécia um dia

Viu esplêndida erguer-se à branca flor da espuma,

Cisne do mar Iônio

Mais alvo do que a bruma!

Visão, filha, talvez da ardente fantasia

De um cérebro de deus:

Vênus, astro – no mar e lágrima – nos céus;

Vênus, quando eu te vejo a resvalar tão pura

Do oceano à flor;

Das águas verde-azuis na húmida frescura:

Vem dos préstimos céus

Vem da Grécia que é morta,

Abre do céu a misteriosa porta

E em ti revive ó pérola do amor!

 

Autor: António Mariano Alberto de Oliveira (1857 – 1937)
Editado por: nicoladavid

Comments