Crespúsculo

 

Cai a tarde, dentro e fora.

E agora, ao caír da tarde,

frio, caminho, por fora,

face estranha à tarde que arde

na hora que cai agora.

Adeus, tarde. Vou-me embora

antes que seja mais tarde.

Não quero ser leão covarde:

quando tem dentes, devora,

quando os não tem, geme e chora,

anjo falso que se inflora

à hora em que cai a tarde.

Oh não quero! Vou-me embora

antes que seja mais tarde.

Para quê sentir agora

se agora é a hora da tarde?

Não há nada que nos guarde,

nem defenda nem resguarde

do que na hora é outrora.

Chora, chora, chora, chora.

Não chores mais. Vai-te embora

antes que seja mais tarde.

Autor: António Gedeão (1906-1997)
Editado por: nicoladavid

Comments