"Ideal"



Onde moras? Onde moras?

Se adivinhasse onde moras
¾ Em frente da tua porta,
Olhando a tua janela,
Veria passar as horas,

As minhas últimas horas.
Sem ti a vida que importa?
A vida, nem penso nela...
Veria passar as horas,

As minhas últimas horas,
Em frente da tua porta,
Olhando a tua janela...

Onde moras? Onde moras?

É num castelo roqueiro?

Se é num castelo roqueiro,
Erguido na penedia,

Sobre o rochedo mais alto
À beira-mar sobranceiro,
Com a minha fantasia

Irei tomá-lo de assalto,
Esse castelo roqueiro,
Erguido na penedia,

Sobre o rochedo mais alto,
À beira-mar sobranceiro...

É nos abismos do mar?

Se é nos abismos do mar,
Sob a múrmura corrente,
No teu leito de amaranto

Irei também descansar,
Ficando perpetuamente
Naquele perpétuo encanto
Do Rei Hárald Horfagar...
No teu leito de amaranto
Irei também descansar,
Naquele perpétuo encanto
Do Rei Hárald Horfagar.

É numa estrela, ilha de ouro?


Se é numa estrela, ilha de ouro,
¾A Via-láctea é uma ponte,
Subirei por ela ao céu...

Para achar o meu tesouro

Não há remoto horizonte,

Nem Sagitário ou Perseu...

Onde moras? Onde moras?

Se adivinhasse onde moras

¾ Em frente da tua porta,
Olhando a tua janela,

Veria passar as horas,

As minhas últimas horas.
Sem ti a vida que importa?
A vida, nem penso nela...
Veria passar as horas,

As minhas últimas horas,
Em frente da tua porta,

Olhando a tua janela
Numa extasiada emoção.
Dize-me pois onde moras,
Se porventura não moras
Dentro do meu coração...

 

 

Autor: António Feijó

Editado por: nicoladavid

Não esquesa ligar o som.
 
Comments