"Agosto"

 

O luar de Agosto chegou,
Como nuvem voando o ar,
Ninguém nele pegou,
Nem o fez volta, devagar.

Aves que voam ao luar,
Que saem breve, enlouquecem,
Saem na sombra a esvoaçar,
Cansadas, cheias adormecem.

O raiar responde ao escuro,
Trazendo à luz todo o segredo,
Volta o movimento seguro,
Respirar de alivio no arvoredo.

Melodias ouvidas ao luar,
Não terá ritmos perdidos,
Escutando agora seu ecoar,
Som que fica nos sentidos.

Autor: António Jesus Batalha
Editado por: nicoladavid

Comments