"A Vida"


A florzinha que sempre vivia,
Em tão grande alegria,
E comunhão com todo o ser,
Passam dias, meses e anos,
Suas raízes sofrem danos,
De sua beleza já não ter,

Depois de linda flor,
Sai dela todo o esplendor,
Pela determinação,
Tristes e sem poder,
Para fazer a flor viver,
Temos de entregá-la ao chão.

Chegando esse dia,
Que é Deus quem sentia,
A extinção de todo o ser,
A florzinha vai secando,
Seu caule vai murchando,
Lentamente até morrer.

Autor: António Jesus Batalha
Editado por: nicoladavid

Comments