Mãos Quentes

 

Mãos frias, coração quente,

Ouço dizer toda a gente

Não sei bem se com razão;

Mãos quentes coração frio

Coração morto e vazio

Sem nada de coração.

 

Deixai falar essas gentes,

Não sabem o que é amar.

 

Eu tenho as mãos sempre quentes

E o coração a escaldar.

 

Autor: Anrique Paço D’Arcos (1834-1905)
“Carlos Eugénio Correia da Silva” Conde de Paço D’Arcos)
Editado por: nicoladavid

Comments