Rituais de água

 

Viver tranquilamente
sem medos de mostrengos
em mares encapelados

recusar o travo da incerteza
não beber a cicuta da tristeza
decantar com fervor as águas
evaporar medos e mágoas

respirar sem sobressaltos
a brisa que vem do mar

fruir com certa calma
os dias que sobrarem
deste calafrio de alma

entrar no leve azul das águas
com a brandura que o mar requer

deixar que a espuma nos salpique
e as ondas nos abracem
com seus lânguidos requebros de mulher

ver de novo e de olhar puro
em cada grão de areia um cristal
em cada gota de água um diamante
em cada pedra um vetusto altar
em cada nobre gesto um ritual
em cada boca a alegria de dois lábios
em cada homem o prazer de inventar
ideias claras sentimentos sábios


Autor: André Moa “José Guilherme Macedo Fernandes” (1939-2011)
Editado por: nicoladavid

Comments