Amanhecer

 

Quando amanhece a montanha é
um elefante sequioso
a despertar da bruma lamacenta
em que se deita

o orvalho transfigura-se
em espelhos de água fértil
onde se derretem as emoções da noite
e se reflectem diurnas esperanças

na poalha rósea da alvorada
esfumam-se os lutos
amainam-se as preces
todas as coisas parecem florir
todas as bocas ensaiam sorrisos
ao futuro que o sol nascente traz
no seu ventre redondo
alegre promissor


Autor: André Moa “José Guilherme Macedo Fernandes” (1939-2011)
Editado por: nicoladavid

Comments