A Quimera Do Ouro

 

Atravessar a vida
perfurar a terra
descer ao mais profundo dos abismos
buscar sóis na escuridão

arrancar a escopro e fantasia das entranhas
estranhas galáxias de aquosa felicidade
que cedo se evapora ao contacto
do real tangível

construir catedrais douradas a emergir
das águas
que logo se transformam em balões de nada
do tamanho do delírio
rumo ao infinito da quimera
que ávidos apertamos na concha rarefeita
das nossas mãos vazias

restará o azul concreto dos espaços
 

Sem lugar nenhum para os nossos passos


Autor: André Moa “José Guilherme Macedo Fernandes” (1939-2011)
Editado por: nicoladavid

Comments