Literatura‎ > ‎Obras de Ana Saraiva‎ > ‎

"Reentrâncias..."


fecho-me para que me abras
não tenho mais mistério
nem mais segredos
do que este
abres-me
não
és vontade de abrir
aperto-me ainda mais
sempre mais, nunca aprendes?
e se me abrisses toda verdadeiramente
quantos redutos ainda teria a mente
quantos atalhos e caminhos descalços
para lado nenhum?
ainda que te diga que minto
ainda que te force a mão
a pensar como punho


Autora: Ana Saraiva
Editado por: nicoladavid


Comments