Literatura‎ > ‎Obras de Ana Saraiva‎ > ‎

Quase nada...


sim, percebo bem que esse rochedo
é o sedimento do medo
e essa lâmina
as lágrimas da infância
mas, este sangue
é apenas feito de sangue
e nunca lhe descobriste
um único segredo
eu,
em diálogo póstumo
e monólogo perene
conto-te um:
espinho ou flor
quase nada é amor
quase nada
gota-dor
gota 


Autora: Ana Saraiva
Editado por: nicoladavid


Comments