Deponho sobre o mármore uma rosa

 

Deponho sobre o mármore uma rosa

de ausência... Ei-la que resta abandonada,

suspensa em bruma, frágil, suspirosa,

ela que recebeu da madrugada

 

o sopro genesíaco e floriu

em sangue e ardência, musical, fremente;

ei-la que resta inerte, transparente,

recordando outro mundo em que se abriu

 

para o amor, para o sonho, para tudo

que já não tens, na morte debruçado!

Ei-la, rosa de ausência e de saudade,

 

pendida sobre o mármore gelado

e esperando de um reino escuro e mudo

a clara voz que a salve da orfandade...

Autor: Alphonsus de Guimaraens Filho (1918-2008)
Editado por: nicoladavid

Comments