Suspiro d’Alma

 

Suspiro que nasce dalma.
Que à flor dos lábios morreu...
Coração que o não entende
Não no quero para meu.

Falou-te a voz da minha alma,
A tua não na entendeu:
Coração não tens no peito,
Ou é difrente do meu.

Queres que em língua da Terra
Se digam coisas do Céu?
Coração que tal deseja.
Não no quero para meu.


Autor: Almeida Garrett (1799-1854)
Editado por: nicoladavid

Comments