O ANO VELHO

                                                


                                                (Amara lemni Temperat risu.
                                                Horat.)

Vai-te, ano velho, vai-te, e nunca volvas
Dos séculos no giro;
Sumido sejas tu nas profundezas
Da imensidão do nada,
Ano parvo e poltrão, chocho e sem préstimo, Inútil como um cônego.
Quem fez caso de ti?
Nem praguejado,
Nem bendito morreste,
Sem deixares legado ou testamento
À deserdada história.
Foram teus dias, dias de rotina,
Como as lições sabidas
Da ensebada, suja caderneta
De um lente de Coimbra;
Tuas horas, as horas marianas
De velha abadessona
Que há quarenta anos tem no mesmo sítio
O babado registo
Do santo favorito.
– Vai-te, some-te, Carunchoso ano velho;
Trague-te o olvido inteiro; mais memória
De ti não fica à terra
Do que deixa um abade de Bernardos,
Da Academia um sócio.

Autor: Almeida Garrett (1799-1854)
Editado por: nicoladavid

Comments