Muito para lá de Deus há um país

 

Muito para lá de Deus há um país
Onde o luar é duma outra cor.
Adivinham-se as rosas, não dão flor.
E as árvores estão poisadas, sem raiz.

Ei-lo, passa ao Sol-posto na alameda
Evoca e fica quedo erguendo os braços.
Prende nos dedos longos dedos lassos,
Os dedos do Mais Longe que se enreda.

Salas nos modos. O Passado extenso.
N’alma há um jardim quase suspenso
Onde não desde Sombra. Ânsia absorta.

Portas nas atitudes que adormece.
Uma das portas não abriu. Esquece.
Meu Deus, o que estará para além da porta?


Autor: Alfredo Pedro de Meneses Guisado (1891-1975)
Editado por: nicoladavid

Comments