Entre pedras, palavras...

 

Que estupidez o sangue nas calçadas!

O sangue fez-se para ter dois olhos,

um lépido pé, um braço agente,

uma industriosa mão tocante.

Que estupidez o sangue entre as palavras!

O sangue fez-se para outras flores

menos fáceis de dizer que estas

agora derramadas.

Autor: Alexandre O’Neill (1924-1986)
Editado por: nicoladavid

Comments