"Fulan Naroman"


A infinda noite opalescente

Sobe, arrebatadoramente,

A fugir de todo o olhar,

Céu tão claro, tão surpreendente,

Que sente a alma, longinquamente,

Como um voo do céu aflar.

A asa translúcida e nevada

Roça de leve a cumeada,

Adeja, e perde-se a alvejar

Na azulada noite doirada...

Presença alada enamorada

Da imensidade do luar.


Autor: Alberto Osório de castro (1868-1946)
Editado por: nicoladavid



Comments