"Lápides"

 

Não sou um velho vencido!

Mesmo à beira da morte

Quero erguer o braço forte

Da razão de ter vivido.

 

Voz de amor por quanto louvo

Caia-me o coração exangue,

Mas sem traição do meu sangue

Que é a voz do meu povo.

 

Autor: Afonso Duarte
Editado por: nicoladavid

 

Comments